VITAMINA D: TUDO SOBRE ESTE HORMÔNIO | Manipura Farmácia de Manipulação

VITAMINA D: TUDO SOBRE ESTE HORMÔNIO | Manipura Farmácia de Manipulação

O QUE É A VITAMINA D?

O termo Vitamina D engloba um grupo de moléculas esteroides que contempla tanto o metabólito ativo (1α,25-diidroxi-vitamina D ou calcitriol) como seus precursores (entre eles a vitamina D3 ou colecalciferol, vitamina D2 ou ergosterol e a 25-hidroxivitamina D ou calcidiol), bem como os produtos de degradação, os quais ainda podem manter alguma atividade metabólica.

Com o entendimento de vários aspectos da fisiologia da vitamina D a partir de estudos bioquímicos e moleculares, sua forma ativa, a 1α,25-diidroxi-vitamina D (1,25(OH)2D), foi reconhecida como um hormônio esteroide integrante de um eixo metabólico: o sistema endocrinológico vitamina D.

Dessa forma, esse sistema é formado pelas várias moléculas que compõem o grupo vitamina D, sua proteína carreadora (DBP, vitamin D binding protein), seu receptor (VDR, vitamin D receptor) e pelas diversas enzimas que participam da cascata de reações de ativação e inativação.

Importância da Vitamina D

À vitamina D é primariamente atribuído o papel de importante regulador da fisiologia osteomineral, em especial do metabolismo do cálcio.

Entretanto, a 1,25(OH)2D está envolvida na homeostase de vários outros processos celulares. Dentre eles, a síntese de antibióticos naturais pelas células de defesa dos mamíferos; modulação da autoimunidade e síntese de interleucinas inflamatórias.

Além disso, atua no controle da pressão arterial; e, como participa da regulação dos processos de multiplicação e diferenciação celular, é atribuído também a ela papel antioncogênico. 

O reconhecimento da importância da vitamina D na homeostase sistêmica despertou um grande interesse na comunidade científica, evidenciado pelo expressivo número de estudos nessas últimas décadas. Neste caso, estudos que investigam os aspectos moleculares da fisiologia da vitamina D, bem como o impacto dos distúrbios do sistema hormonal vitamina D na saúde global dos indivíduos.

Nesse âmbito, uma série de avaliações epidemiológicas mostra que uma significativa parcela da população mundial, independente da idade, etnia e da localização geográfica, apresenta baixos níveis de vitamina D.

Dessa forma, em território brasileiro, os estudos mostram prevalência de baixos níveis de 25(OH)D em cerca de 60% dos adolescentes; de 40% e 58% entre adultos jovens, e entre 42% e 83% em idosos, com taxas mais altas entre indivíduos com idades mais avançadas.

 

METABOLISMO DA VITAMINA D

Nos seres humanos, apenas 10% a 20% da vitamina D necessária à adequada função do organismo provém da dieta. Assim sendo, as principais fontes dietéticas são a vitamina D3 (colecalciferol, de origem animal, presente nos peixes gordurosos de água fria e profunda, como atum e salmão) e a vitamina D2 (ergosterol, de origem vegetal, presente nos fungos comestíveis). Dessa forma, os restantes 80% a 90% são sintetizados endogenamente.

Ativação da Vitamina D

Para que esse processo de ativação da vitamina D se inicie, é preciso que o indivíduo receba a luz solar direta, especificamente a radiação ultravioleta B (UVB) nos comprimentos de onda entre 290 e 315 nanômetros.

Em decorrência da posição do eixo em que a Terra translaciona em torno do sol, quanto mais uma localidade se afasta da Linha do Equador maior é a espessura da camada atmosférica que a luz solar deve atravessar, o que provoca atenuação em vários comprimentos de onda, entre eles a radiação UVB.

Esse ângulo de incidência da luz solar sobre a Terra (zênite solar) também se modifica ao longo das estações do ano, sendo maior nos meses de inverno quando a quantidade de raios UVB que atinge a superfície terrestre é menor.

Dessa forma, a quantidade de raios UVB que atinge a pele dos indivíduos é uma função inversa da latitude e é menor nos meses de inverno.

Papel da Melanina

Uma outra variável que está envolvida nessa etapa inicial de ativação da vitamina D é a quantidade de melanina na pele do indivíduo.

Assim sendo, esse pigmento também compete pelo fóton da radiação UVB nos comprimentos de onda entre 290 e 315 nm, diminuindo a disponibilidade de fótons para a fotólise do 7-DHC.

Nesse sentido, estudos mostram menores reservas da 25(IH)D em indivíduos negros quando comparados aos caucasianos (20), mas que as duas etnias têm a mesma capacidade de síntese de 25(OH)D (21). Em resumo, indivíduos com pele mais escura precisam de mais tempo de exposição ao sol para sintetizarem a vitamina D3.

Papel da idade

Um grupo etário que merece atenção especial nessa fase inicial de ativação da vitamina D na epiderme é o de idosos, pois, pelo processo de envelhecimento, apresentam afinamento da epiderme e derme, com consequente diminuição da reserva de 7DHC.

O colecalciferol também pode ser obtido pela dieta, provindo de alimentos de origem animal, principalmente peixes gordurosos de água fria e profunda, como o salmão e o atum.

Uma outra fonte dietética é o ergosterol (vitamina D2), proveniente de alimentos vegetais, em especial fungos. O colecalciferol e o ergosterol são transportados no sangue por uma glicoproteína, a proteína ligadora da vitamina D (DBP, vitamin D binding protein).

 

AÇÕES DA VITAMINA D ATIVA – 1,25(OH)2D

A ação clássica da 1,25(OH)2D é a regulação do metabolismo do cálcio e fósforo por meio do controle dos processos de absorção intestinal e reabsorção renal desses íons. Dessa forma, essa regulação mantém os níveis em concentrações plasmáticas suficientes para assegurar a adequada mineralização e o crescimento ósseo em crianças e adolescentes, bem como da saúde óssea global em todas as etapas da vida. Entretanto, também está envolvida em uma série de outras funções envolvendo a homeostase sistêmica.

 

Sistema Imunológico

A 1,25(OH)2D apresenta importante papel imunorregulatório em várias células do sistema imunológico: CD4+, CD8+, linfócitos T e células apresentadoras de antígenos.

Ou seja, ela participa da regulação da diferenciação das células precursoras em células mais especializadas do sistema monocítico-macrofágico e no estímulo à expressão dos genes que codificam a catelicidina e a α e β-defensinas, antimicrobianos sintetizados pelas células do sistema imune de mamíferos.

Atua também na modulação da autoimunidade, mantendo equilíbrio entre as respostas Th1 (celular) e Th2 (humoral). Em situações de baixas concentrações de 25(OH)D, por exemplo, o sistema imunológico favorece o desenvolvimento de células T autorreativas direcionadas contra tecidos do próprio organismo e a síntese de interleucinas pró-inflamatórias (IL-12, interferon gama).

Ou seja, isso pode predispor a um risco aumentado de desenvolver doenças autoimunes, como o diabetes melito tipo 1, artrite reumatoide, esclerose múltipla, doenças inflamatórias intestinais, por exemplo.

Clique no link para aprender mais sobre o nosso SISTEMA IMUNOLÓGICO.

 

Ações no metabolismo osteomineral

Entre os principais órgãos-alvo da 1,25(OH)2D estão o intestino e os rins, integrantes do sistema de controle do metabolismo osteomineral, sobretudo do cálcio e fósforo.

Nas células endoteliais do intestino, a 1,25(OH)2D estimula a absorção ativa de cálcio no duodeno e absorção passiva no jejuno. Nos rins, a 1,25(OH)2D atua nos túbulos distais promovendo a reabsorção do cálcio filtrado através da regulação da expressão de proteínas transportadoras de cálcio.

Assim sendo, ela promove os níveis de cálcio e fósforo adequados para a mineralização óssea.

 

Outros Sistemas

O estudo mostra como a Vitamina D é importante e atua em outros sistemas como:

  • Ciclo celular e neoplasias
  • Gônadas:
  • Sistema cardiovascular
  • Sistema musculoesquelético
  • Controle do metabolismo glicídico
  • Cérebro

COMO SUPLEMENTAR?

A Manipura Farmácia disponibiliza uma fórmula de Vitamina D 2000UI com 60 cápsulas e um Composto de Reforço Imunológico, associando a Vitamina D com outras substâncias que tem papel importante na imunidade.

 

reforço imunológico
vitamina D

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.