PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS | Manipura Farmácia de Manipulação

PROBIÓTICOS E PREBIÓTICOS | Manipura Farmácia de Manipulação

Os Probióticos são definidos como microrganismos não-patogênicos vivos que exercem um efeito benéfico no hospedeiro quando ingeridos. Compreendem espécies de Lactobacillus, de Bifidobacterium e algumas leveduras. Eles vêm sendo estudados há várias décadas e, devido a sua grande resistência aos antimicrobianos, são propostos como uma alternativa no tratamento ou prevenção de desordens gastrintestinais.

De acordo com a Legislação Brasileira, probiótico é definido como um suplemento alimentar microbiano vivo, que afeta de maneira positiva o organismo por repor a microbiota. Estes promovem a estabilização da flora intestinal. São bastante procurados durante e após o tratamento com antimicrobianos, como os antibióticos, devido a perda da microbiota intestinal pelo uso de tais medicamentos. A presença destes microoganismos aumenta os efeitos imunológicos, por impedirem a colonização de patógenos.

Já os Prebióticos são os componentes alimentares não digeríveis, que  possuem propriedades benéficas para a saúde, pois funcionam como alimento dos microorganismos da flora intestinal normal. O exemplo mais famoso são as fibras prebióticas, como os frutooligosacarídeos (FOS).

 

 

O que é Flora Intestinal?

 flora intestinal é um grande conjunto de mais de 100 trilhões de bactérias com mais de 400 espécies que vivem no aparelho digestivo de uma pessoa. Esses microorganismos se encontram desde a boca até a parte final do intestino grosso.

As bactérias podem ser divididas em benéficas e nocivas. As benéficas (probióticos) permitem que o organismo tenha uma boa saúde. Já as nocivas (patogênicas), causam desequilíbrios graves no trânsito intestinal, produzem toxinas e podem causar doenças.

As bactérias probióticas competem ecologicamente com outros microorganismos, produzindo substâncias antimicrobianas, o que as torna capazes de nos proteger de bactérias patogênicas e de vírus. Em geral, elas produzem várias vitaminas do grupo B, B3, B6, ácido fólico e biotina.

Para que servem os probióticos?

Inúmeros estudos relacionam a suplementação de probióticos com a melhora da saúde, em vários pontos. É importante entender que a suplementação destes produtos podem ajudar nos mais diversos casos, não apenas em um.

Probióticos reduzem a duração e a severidade da diarréia.

Probióticos são considerados um tratamento seguro no tratamento da diarréia aguda infecciosa que promove a redução da duração e da severidade da doença.

Probióticos podem manter baixos os níveis de Helicobacter pylori no estômago.

Foi comprovado que o tratamento com probióticos, administrado após a terapia dupla ou tripla em crianças com H. pylori, pode ser mais eficaz em relação às terapias padrão. Os resultados de estudos demonstram que os probióticos podem manter baixos os níveis de H. pylori no estômago e se combinados com antibióticos podem reduzir efeitos adversos. Além disso, os probióticos podem ser considerados uma alternativa eficaz e de baixo custo para redução de risco de colonização de H. pylori em pacientes com risco.

Probióticos podem adiar ou prevenir o desenvolvimento do dermatite atópica.

O uso de probióticos, como a ingestão de Lactobacillus, tem eficácia comprovada na prevenção ou no mínimo em adiar o desenvolvimento da dermatite atópica. A administração de probióticos nos primeiros 6 meses de vida em crianças com risco de desenvolver a atopia reduziu o número de crianças que desenvolveram dermatite atópica em 50% nos primeiros dois anos de vida.

EFEITOS DOS PROBIÓTICOS NA IMUNIDADE

A relação entre probióticos e sistema imunológico possui uma vasta bibliografia, a maioria relatando estudos com bactérias ácido-lácticas, demonstra que os probióticos têm efeito imunoestimulante em animais
e no homem, apesar de ainda não estarem completamente esclarecidos os mecanismos pelos quais isto ocorre.

O efeito dos probióticos sobre a resposta imune tem sido bastante estudado. Grande parte das evidências de sistemas in vitro e de modelos animais e humanos sugere que os probióticos podem estimular tanto a resposta imune não-específica quanto específica. Acredita-se que esses efeitos sejam mediados por uma ativação dos macrófagos, por um aumento nos níveis de citocinas, por um aumento da atividade das células destruidoras naturais (NK – “natural killer”) e/ou dos níveis de imunoglobulinas.

Merece destaque o fato de que esses efeitos positivos dos probióticos sobre o sistema imunológico ocorrem sem o desencadeamento de uma resposta inflamatória prejudicial. Entretanto, nem todas as cepas de bactérias láticas são igualmente efetivas. A resposta imune pode ser aumentada, quando um ou mais probióticos são consumidos concomitantemente e atuam sinergisticamente, como parece ser o caso dos Lactobacillus administrados em conjunto com Bifidobacterium.

A ação de microrganismos durante a fabricação de produtos contendo culturas ou no trato digestivo favorece a quantidade, a biodisponibilidade e a digestibilidade de alguns nutrientes da dieta. A fermentação de produtos lácteos por bactérias láticas pode aumentar a concentração de determinados nutrientes, como vitaminas do complexo B. As bactérias láticas caracterizam-se pela liberação de diversas enzimas no lúmen intestinal. Essas enzimas exercem efeitos sinérgicos sobre a digestão, melhorando a absorção de nutrientes.

A hidrólise enzimática bacteriana pode aumentar a biodisponibilidade de proteínas e de gordura e aumentar a liberação de aminoácidos livres. Além de ácido lático, ácidos graxos de cadeia curta, como propiônico e butírico, também são produzidos pelas bactérias láticas. Quando absorvidos, esses ácidos graxos contribuem para o pool de energia disponível do hospedeiro e podem proteger contra mudanças patológicas na mucosa do cólon. Além disso, uma concentração mais elevada de ácidos graxos de cadeia curta auxilia na manutenção de um pH apropriado no lúmen do cólon, crucial para a expressão de muitas enzimas bacterianas sobre compostos estranhos e sobre o metabolismo de carcinógenos no intestino. Assim, a produção de ácido butírico por algumas bactérias probióticas neutraliza a atividade de alguns carcinógenos da dieta, como as nitrosaminas, resultantes da atividade metabólica de bactérias comensais em indivíduos que consomem dietas com alto teor de proteínas.

PROBIÓTICOS NA PELE

Nossa pele também possui uma microbiota que em equilíbrio, confere hidratação, proteção e barreira epidérmica para nosso corpo. Ela pode entrar em desequilíbrio e com isto diminuir a barreira, assim favorecendo uma série de condições como pele seca, pele sensível, dermatite atópica, psoriase, rosacea e outros.

Ao aplicar prebióticos na pele, conseguimos fornecer o substrato necessário para a microbiota benéfica da nossa pele se desenvolver e com isto, trazer o equilíbrio, melhorar a barreira e favorecer a hidratação da pele, assim ajudando a tratar as mais diversas questões de pele.

Clique no LINK para saber tudo sobre probióticos e pele.

Tipos de Probióticos

A tabela abaixo relaciona a espécie do Probiótico com sua indicação terapêutica.

tabela probióticos
Tabela de Probióticos e suas indicações.

Como usar?

A Manipura desenvolveu uma série de formulações sugestivas com probióticos e prebióticos, para sua praticidade.

Probióticos Manipura

 

sabonete probiótico
iogurte probiótico